×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 857
Sexta, 06 Dezembro 2013 22:00

11º Fórum Nacional de Arte Espírita

Written by 
Rate this item
(1 Vote)

Uma avaliação positiva.

Em agosto de 2003, durante o 1º Festival de Teatro Espírita de Florianópolis (Fetef), uma conversa informal entre os diretores dos grupos participantes do evento – Rogério Silva, do NEA, Marcus Azuma, do Integrarte, e Amauri Martinelli, da Cia. Almas Claras – fez surgir a ideia da realização de uma reunião entre os coordenadores de grupos e pessoas que estavam à frente do trabalho artístico espírita. 
A proposta restringia-se, inicialmente, aos Estados da região Sul do Brasil. 
Como o propósito não era ser um encontro propriamente dito, com apresentações artísticas, mas sim uma reunião para discussão de assuntos de interesse comum e definição de propostas de trabalho, o evento recebeu o nome de Fórum. Nascia, assim, um ano depois, o 1º Fórum sobre Arte Espírita, realizado em agosto de 2004, no Centro Espírita Allan Kardec, na capital catarinense.
De forma tímida, o evento contou com 31 participantes de Santa Catarina (Florianópolis, Itajaí, Balneário Camboriú e Joinville) e do Paraná (Curitiba, Paranavaí). Vários debates aconteceram durante o Fórum, desde assuntos doutrinários, como os fundamentos da Arte Espírita, até assuntos práticos, como a definição de estratégias de integração entre os grupos. Nos anos seguintes, o movimento foi crescendo, ganhando novos integrantes e agregando novas lideranças, fazendo com que o Fórum ganhasse consistência. Em sua quarta edição, em Salvador, na sua quarta edição, viu nascer a Abrarte (Associação Brasileira de Artistas Espíritas).
Depois de percorrer várias unidades da Federação, a cidade de Franca recebeu, nos dias 19 e 20 de junho,em torno de 70 trabalhadores de arte espírita de todo o país, na décima primeira edição do evento. 
A redução do número de participantes, em relação às ultimas edições deveu-se às preocupações com relação às movimentações da Copa do Mundo, que acarretaram no aumento das passagens aéreas.
No entanto, não obstante um número menor de forenses, o evento cumpriu seus objetivos e resgatou valores importantes que permearam a criação da Associação Brasileira de Artistas Espiritas. 
Nossos parabéns e agradecimentos a todos os companheiros da Franca, em especial do Instituto Arte & Vida, pela excelente organização do evento.


Artistas espíritas integram-se em Franca
A Fundação Educandário Pestalozzi, em Franca (SP), abriu as portas, nesse feriado de Corpus Christi, para artistas espíritas de 14 unidades da Federação: São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Goiás, Distrito Federal, Sergipe, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará e Amapá. 
Desde a quinta-feira, dia 19, cerca de 70 trabalhadores espíritas ligados à dança, à música, à literatura, ao teatro e ao audiovisual foram chegando pouco a pouco para o 11º Fórum Nacional de Arte Espírita.
Quem já estava instalado participou de uma dinâmica de integração ainda na tarde desse primeiro dia. Às 17 horas, foi feita a abertura para os participantes. Rafaela Vaz, integrante do Instituto Arte & Vida, brindou os presentes com uma apresentação à capela da música Outras moradas, de Cesar Tucci. 
Em seguida, Lígia Benate, também integrante do Arte & Vida e uma das coordenadoras do evento, falou sobre a importância da realização do Fórum na cidade de Franca e na Fundação Pestalozzi, fundada e gerida pela família Novelina. 
O presidente da Abrarte, Cláudio Marins, saudou a todos os presentes, em nome da Associação, e apresentou os objetivos do evento.
À noite, todos os participantes foram levados até o Teatro Judas Iscariotes, no bairro Cidade Nova, para assistirem à solenidade de abertura oficial do evento, que contou com a presença dos representantes do movimento federativo regional – Sandro Luis Fernandes, da USE Intermunicipal de Franca, e Jean Rodrigo Campos Julio, da USE Regional Franca) e também de Vicente Benate, do Instituto Arte & Vida. 
Nessa oportunidade, Cláudio Marins fez o lançamento do livro Arte no Centro Espírita - Planejamento e Prática, editado pela Abrarte. 
O público presente pôde assistir, na sequência, à apresentação de estreia da remontagem do espetáculo Nhô Tóti, sucesso teatral do Instituto Arte & Vida nos anos 90.

Experiências em debate
Na sexta-feira, a programação começou com estudo de Gladston Lage, de Belo Horizonte (MG), autor das letras de várias composições gravadas por Tim e Vanessa, sobre inspiração, autoria e a vivência evangélica da tarefa artística pelo espírita. 
Dentro outros assuntos, Gladston abordou sobre a vaidade. 
Segundo o palestrante, é preciso que o trabalhador da arte espírita dispa-se dos acessórios que, muitas vezes, atrasam o seu progresso.
Em seguida, os participantes se dividiram em três salas, cada uma das quais abrigando três painéis consecutivos de 20 minutos sobre experiências específicas desenvolvidas no campo da arte espírita. 
As exposições foram seguidas de debates abertos entre os painelistas e os participantes em cada sala.
Na primeira sala, Edmundo Cezar (PR) apresentou a experiência do Ciclo de Estudos sobre Arte e Espiritismo desenvolvido na Federação Espírita do Paraná; Lígia Benate e Carla Prazeres (SP) discorreram sobre os trabalhos desenvolvidos pelo Instituto Arte & Vida, de Franca; e Rick Debiazze (ES) falou sobre o projeto Arte Espírita, eu apoio, uma proposta de divulgação e promoção da arte espírita através de ações simples e eficazes.
Na segunda sala, Sandro Saraiva (RN) trouxe subsídios para a adaptação de textos espíritas para o teatro; João Romário (CE) compartilhou a metodologia educacional Arte na evangelização de espíritos; e Cláudio Marins (MG) apresentou os bastidores espirituais do seminário lítero-musical Brasil Coração do Mundo, Pátria do Evangelho, realizado em Belo Horizonte.
Na terceira sala, Reginauro Souza (CE) trouxe reflexões sobre o diálogo entre ator e personagem; Germana Carsten (DF) relatou a experiência do Grupo Teatro Vida; e Rogério Silva (SC) abordou sobre o tema Comunicação e Arte no Espiritismo.
Ainda na sexta-feira, à tarde, nova divisão, dessa vez entre três grupos de trabalho que discutiram os seguintes projetos da Abrarte: Encontro Nacional de Arte Espírita, Mostras regionais e Núcleos Abrarte.
Ao final das discussões, todos se reuniram no auditório da Fundação para participar de palestra de Moacyr Camargo, de São Paulo (SP) sobre Arte e Vibração do Evangelho. 
Ao final do estudo, Moacyr recebeu uma Moção de Reconhecimento da Abrarte.
Antes do encerramento das atividades da tarde, houve ainda o lançamento do edital para publicação de uma obra sobre Arte e Espiritismo, sob a coordenação da Abrarte. Após banho e jantar, a programação prosseguiu no Judas Iscariotes, com apresentação poético-musical de Glaucio Cardoso e Junior Vidal (RJ), seguida de show do grupo Vozes do Amanhã, de Campinas (SP).

Assembleia discute propostas
O sábado começou com a assembleia geral dos associados da Abrarte, que ocupou toda a manhã. 
Na reunião foram referendados 38 novos associados; o Conselho Fiscal aprovou as contas do período junho/2013-maio/2014 apresentadas pela Tesouraria; a Diretoria enumerou as atividades desenvolvidas nesse período; foram discutidos os encaminhamentos a respeito da criação dos Núcleos Abrarte regionais, da revisão do estatuto, das ações de divulgação da Associação e ainda sobre o processo eleitoral de 2015. Por fim, a palavra foi aberta para a discussão de assuntos propostos pelos associados.
Para os participantes do Fórum que não são associados, no mesmo horário em que se realizou a assembleia geral foram oferecidas oficinas técnicas.
Depois do almoço, nova reunião, dessa vez concentrada em discussões sobre as próximas Mostras Abrarte regionais, que acontecerão pioneiramente nos estados do Amapá (já confirmada) e Rio Grande do Sul (em vias de confirmação).
Na sequencia da programação do Fórum aconteceu uma atividade vivencial, intitulada Nos Passos do Evangelho, em que os participantes seguiam em cortejo pelo inspirador ambiente da Fundação Pestalozzi. 
Por fim, a noite contou com uma palestra musicada com canções do projeto Cancioneiro Espírita, organizada por trabalhadores e convidados do Instituto Arte e Vida, seguida de uma apresentação surpresa da canção Abra a Arte, de Mauricio Keller e Paulo Rowlands, envolvendo vários participantes do encontro, e de nova atividade vivencial fortemente inspirada no Evangelho, promovida pela organização local, que marcou o encerramento efetivo do 11º Fórum Nacional de Arte Espírita.

Atividades paralelas
A exemplo do que ocorreu no Fórum do ano passado, em Florianópolis, a edição deste ano do evento teve ainda outras atividades paralelas à programação geral: a equipe de atendimento médico-espiritual, que ficou de plantão durante todo o evento; o Forunzinho, reunindo crianças filhas de participantes e trabalhadores da comissão organizadora; e a equipe de mídia, que produziu e exibiu duas edições da TV Fórum e distribuiu duas edições do informativo impresso “Jornal da Abrarte”. 
E após o encerramento do evento, no domingo pela manhã, para os participantes que ainda permaneceram na cidade, a comissão organizadora local proporcionou um roteiro de visita a entidades espíritas da cidade de Franca: Hospital Espírita Allan Kardec, Fundação Judas Iscariotes, Fundação Educandário Pestalozzi, Instituto de Medicina do Além (IMA), Lar de Ofélia, Centro Espírita Esperança e Fé (Nova Era) e Centro Espírita Luz e Amor.

Emoção, diversão e reflexão
O 11º Fórum Nacional de Arte Espírita foi marcado por belíssimas manifestações artísticas, que encantaram os participantes e o público externo. 
Na abertura oficial do evento, na quinta-feira à noite, a peça Nhô Tóti, apresentada pelo Instituto Arte & Vida (Franca, SP), trouxe a história de um menino simples e arteiro, como toda criança, mas que tem o dom de ver as “luzinhas” das pessoas. 
A medida que vai crescendo, aprende com o velho Saturnino a fazer benzeduras e simpatias. Com texto e direção de César Augusto de Oliveira, a peça conta as divertidas peripécias desse mineiro encantador, às voltas com a sua mediunidade e sua capacidade de solucionar problemas que afligem o seu próximo, chamando atenção de Eurípedes Barsanulfo, que resolve orientá-lo e ajudá-lo.
Na sexta-feira pela manhã, novamente o Instituto Arte & Vida brindou os participantes com uma belíssima apresentação de dança e expressão corporal, fazendo-nos refletir sobre o vazio existencial que aflige aqueles que veem a arte apenas como um meio de materializar suas vaidades.
À noite, Júnior Vidal (Campos dos Goytacazes, RJ) e Glaucio Cardoso (Mesquita, RJ) fizeram um show lítero-musical, intercalando poesias e músicas do CD Energia Pura, de Júnior Vidal. 
A apresentação teve momentos de interação com o público, convidado a subir no palco para interagir com as performances. Em seguida, o Grupo Vozes do Amanhã (Campinas, SP) apresentou a palestra musicada O Evangelho em Canção. Em meio as belas canções de teor cristão, as reflexões extraídas das obras básicas da codificação espírita.
No final da tarde de sábado, os participantes foram convidados a participar de um cortejo pelo inspirador ambiente da Fundação Pestalozzi momentaneamente transfigurado na Galileia pela presença de vários discípulos do Cristo, evocados pelo teatro, pela música e pela dança. 
Participaram da atividade Rogério Silva (Florianópolis, SC), Eneida Nalini (Franca, SP), Edmundo Cezar (Curitiba, PR), Aldo Motelevicz (Curitiba, PR), Camila Vittal (Natal, RN), Allany Amadine (Natal, RN), Reginauro Sousa (Fortaleza, CE), Vivian Françosi (Florianópolis, SC), Alessandro Saraiva (Natal, RN), Marcelo de Aquino (Natal, RN), Wadson Fernandes (Belo Horizonte, MG) e Daniela Tonidandel (Belo Horizonte, MG).
Por fim, no sábado à noite, ocorreu a palestra musicada com canções do projeto Cancioneiro Espírita, organizada por trabalhadores e convidados do Instituto Arte e Vida, seguida de uma apresentação surpresa da canção Abra a Arte, composta por Mauricio Keller e Paulo Rowlands no Fórum de Salvador, resgatando as emoções daquela noite em que foi fundada a Abrarte.

Natal e São Paulo são as próximas sedes
A cidade de Natal, capital do Rio Grande do Norte, será a sede do 12º Fórum Nacional de Arte Espírita, que acontece de 4 a 7 de junho de 2015, conforme já anunciado ano passado em Florianópolis. 
No encerramento do 11º Fórum, em Franca, os representantes de Natal, Alessandro São Paulo.jpgSaraiva, Marcelo de Aquino e Allany Amadine apresentaram um vídeo institucional e deram boas vindas aos participantes.
Já o 13º Fórum, que acontecerá juntamente com o 2º Encontro Nacional de Arte Espírita, vai se realizar de 26 a 29 de maio de 2016, na cidade de São Paulo. 
O anúncio foi feito pelo vice-presidente da Abrarte, Rogério Silva, durante o Fórum de Franca.

Fonte: Notícias da ABRARTE

Read 4076 times Last modified on Quarta, 16 Julho 2014 14:56
More in this category: O Espiritismo na arte »
Login to post comments

Temos 1335 visitantes e Nenhum membro online